Pesquisar
 

Investimento imobiliário esfria em Abu Dhabi

Após o colapso do mercado imobiliário de Dubai em 2009, Abu Dhabi ofereceu resgate financeiro no valor de US$ 10 bilhões ao seu vizinho. Agora, Abu Dhabi, que possui 7% das reservas de petróleo do mundo, está reduzindo seus próprios e ambiciosos projetos imobiliários para economizar dinheiro.

O corte num plano para investir cerca de US$ 500 bilhões em todos os tipos de indústrias não petrolíferas e em turismo e cultura, que visa ampliar a receita total não petrolífera dos Emirados de 41% para 64%, significará ganhos rasos para as os setores de desenvolvimento e construção por algum tempo.

As despesas com o plano que é parte de um programa chamado Abu Dhabi Visão Econômica 2030 deveria ter vindo dos lucros provenientes dos altos preços do petróleo nos últimos anos. Agora, porém, com a demanda e os preços do petróleo caindo e os mercados de crédito encolhendo, o governo prefere segurar o dinheiro para o caso de precisar auxiliar empresas locais a enfrentar a crise.

“Abu Dhabi não existe isoladamente e é parte da economia global, e uma revisão dos gastos do governo é sinal de prudência”, disse uma pessoa do governo de Abu Dhabi. Entre os projetos colocados em espera estão imensos desenvolvimentos na ilha Saadiyat – uma grande ilha ao largo da costa que o governo espera que se torne o centro cultural dos Emirados. Os planos englobam uso de lazer, bem como espaços residências e comerciais.

WSJ

  • Comentários  

    17/01/2018